quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Poema - Criação


Tudo está em movimento constante
E eu presa nesse instante
Parada no espaço temporal
Estagnada vendo o maravilhoso
Fantasiando um universo sinuoso
Arquitetando um mundo de beleza imortal.

Fazendo imagens em minha cabeça
Perco-me em minha própria natureza
E já não sei mais a onde estou
Maravilhoso é o ver em excesso
Transformar o feio em belo
Viver livre sem pudor.

Tudo parte de um pensamento
É a imaterialidade de nossa mente
Que fazem as coisas existirem
Se a imagem não existe
Então, tudo inexiste
E talvez eu não esteja aqui.

Priscila Hirotsu.
09/2011#

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A classificação das palavras da língua portuguesa (resumo)

Morfologia – linguística aplicada
A morfologia é a área da linguística que estuda a estrutura e a formação das palavras, tanto a classificação quanto a estruturação auxiliam na compreensão da nossa língua. A morfologia estuda o morfema, que pode ser gramatical ou lexical. O morfema gramatical são os que possuem significação interna à estrutura da língua e o morfema lexical é o morfema que representa a própria significação dos vocábulos, ou seja, o radical das palavras do léxico.
Nosso vocábulo é divido em em formal e fonologico, que respectivamente é o português é a unidade a que se chega quando não é possível a divisão em duas ou mais formas livres ou dependentes.e o português falado, ou seja, como nossa língua é apresentada no uso. O vocábulo formal é a unidade que pode ser constituida de: Uma forma livre indivisível ou uma livre com uma ou mais formas presas.
Exemplo: Forma livre indivisível: Feliz, Eu.
 A palavra “imprevisível”: im-pre-visi-vel, duas ou mais formas presas e uma livre.
A forma livre pode sustitui sozinha o enunciado, a forma presa está relacionada com o enunciado e a forma dependente não responde ao enunciado. A idéia de formas livres e presas foi nomeada por Bloomfield e a de forma dependente por Mattoso Câmara.
Desde a idade clássica se tem a preocupação com a classificação das palavras, onde teve seu primórdio com a classificação filosófica de Platão que separou as partes do discurso em nome e verbo, tendo seu aperfeiçoamento em Aristoteles que desenvolveu as idéias de Platão e acrescentou as conjunções dividindo as palavras em dois grandes grupos, os categorremáticos e os sincategoremáticos, ou seja, palavras que designam seres e as que indicam modificações dos seres.
 Segundo o gramático latino Varrão, podemos relacionar os sufixos flexionais a uma derivação natural, isto é, que é próprio da natureza da frase; e os sufixos derivacionais que não são obrigatórios no o léxico, chamada de derivação voluntária, com isso podem relacionar o processo flexional com a derivação natural e a o processo derivacional de derivação voluntaria.
Atualmente no campo da sintaxe, Gladstone posiciona-se quanto aos conceitos de coordenação e subordinação e na morfologia retira as interjeições quanto à classificações das palavras, pois acredita que as interjeições são equivalentes ao todo da oração.
Mattoso Câmara classifica as palavras em grupos de nomes, pronomes, verbos e instrumentos gramaticais, utilizando critérios formal, semântico e funcional. Os Nomes são subdivididos em substântivos, adjetivos e advérbios: os substântivos tem como função de determinado no interior de um sintagma nominal, os adjetivos tem como determinante de um substântivo no sintagma nomina e os advérbios tem como determinte de um verbo no sintagma verbal. Os conetivos (sincategoremáticos) compeendem as conjunções, os pronomes relativos e preposições.

ESTRURA E FORMAÇÃO DOS VOCABULOS EM PORTUGUÊS
Estrutura
·         Caráter eufônico.
Formação
·         Palavras simples e compostas
·         Simples: Primitivas e Derivadas
Primitivas: Não originam de outras palavras.
Derivadas: Originam-se das primitivas, e divide-se em:
a)    Prefixal
b)    Sufixal
c)    Prefixal e Sufixal
d)    Parassintética
·         Compostas: Formação de palavras que cria novos vocábulos pela combinação de outros já existentes, dando origem a um novo significado.
a)    Justaposição: Autonomia fonética
b)    Aglutinação: Fundem-se num todo fonético
·         Outros processos de formação de palavras:
a)    Abreviações
b)    Reduplicação
c)    Reduplicação imitativa/onomatopéias
d)    Siglas
e)    Hibridismo
Tipos de Morfemas
·         Classificatórios: Constituídos pelas vogais temáticas cuja função é a de enquadrar os vocábulos em classes de nomes e de verbos.
·         Flexionais: Alteram os morfemas lexicais, adaptando a expressão das categorias gramaticais.
·         Aditivos: Resultam do acréscimo de um ou mais fonemas aos morfemas lexicais.
·         Subtrativos: Resultam da supressão de um segmento fônico do morfema lexical.
·         Alternativo: Resultam da alternância ou permuta de um fonema no interior do vocábulo.
·         Morfema-zero: Resulta da ausência de marca para expressar determinada categoria gramatical.
·         Morfema latente ou alomorfe: Não traz em si o contraste entre as categorias gramaticais.
·         Morfemas Derivacionais: Criam novas palavras na língua.
·         Morfemas Relacionais: Pequena margem de variação linguística.



Ao usar este artigo, mantenha os links e faça referência ao autor:
HIROTSU, Priscila. Artigo :A classificação das palavras da língua portuguesa (resumo). João Pessoa, PB. Publicado 22/09/2011, em: http://www.gerandoletras.blogspot.com\

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Prevenção e Descriminalização do aborto

Falar de sexualidade NÃO É PECADO, é melhor maneira de você conhecer seu corpo, e consequentemente prevenir doenças sexualmente transmissíveis e uma gravidez indesejada.
Fazer uso de maneiras preventivas como usar camisinha e anticoncepcionais devem  aliar-se com a conscientização do sexo saudável, entretanto, para isto dar certo, as pessoas têm que parar de sentir pudor ou vergonha do seu próprio corpo.
Um dos modos de fazer planejamento familia é o simples hábito de você tocar seu corpo e fazer uso de preservativo, mas tendo em vista as dificuldades de se discutir abertamente o assunto “sexo”, aliada com o preconceito social e a concepção religiosa de pecado, o tema “sexualidade” se tornou banal.
 A omissão do assunto, reflete no grau de mortalidade infantil, doenças sexualmente transmissíveis, gravidez na adolescência e em abortos ilícitos que acontecem em todo território nacional.
Falar de aborto no Brasil ainda é misticamente delicado apesar de por ano serem realizados mais de 1,25 milhões de abortos e de por conta desse silêncio mais 250 mil mulheres pagarem com suas vidas, as duas hierarquias dominantes que controlam a sociedade, a Igreja e o Estado, preferem se omitirem que resolver a problemática.
*Os dados mostram que 1 em cada 5 mulheres fazem aborto em sua vida reprotudiva. Não é novidade que as mulheres ricas fazem abortos em clínicas clandestinas e as de classe social baixa realizam métodos abortivos em casa, entretanto, ambas estão sujeitas á morte ou a sequelas graves, como: Laceração do colo uterino - provada pelo uso de dilatadores, perfuração do útero, hemorragias uterinas, inflamações e infecções diversas e consequências psicológicas para a mulher, os demais membros da família e para os filhos que podem nascer depois.
A legalização acabará com o lucro de milhares de clínicas clandestinas, que são responsáveis por grande parte da mortalidade materna, com o tráfico de remédios abortivos, que causam sérios danos a saúde da mulher e principalmente acabará com a aberração de criminalizar a mulher por que em determinado momento de sua vida decidiu não ser mãe. Além disso, o Estado e a sociedade vão ter números concretos, podendo saber onde ocorrem mais ou menos abortos e podendo agir com medidas públicas para tais finalidades.
Atualmente a lei do descaso deixa uma sociedade inteira vitima de seu descaso e preconceito. Defender a legalização do aborto no Brasil é dar voz a milhares de mulheres emudecidas, é uma questão de ética e de saúde pública

Fontes:
*Pesquisa realizada pela Universidade de Brasília e pelo instituto de pesquisas Anis – Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero.

Ao usar este artigo, mantenha os links e faça referência ao autor:
HIROTSU, Priscila. Artigo: Prevenção e Descriminalização do aborto. João Pessoa, PB. Publicado 15/09/2011, em: http://www.gerandoletras.blogspot.com\



sábado, 10 de setembro de 2011

Poema - Pôr-do-sol



Lá se vai mais um pôr-do-sol
Que nasce para você e para mim
Nunca me diz nada
Não sabe o que eu tenho a lhes dizer
Passa todos os dias à minha janela
Mas nunca entra à minha porta
Deixa-me a cada manhã mais excitada
Fornecendo-me vivacidade e calor
Voluptuoso, beija minha face e vai embora

Estando eu...
Novamente a esperar seu regresso.


Priscila Hirotsu.
09/2011#

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

A história da humanidade é uma história de violência e sexo



(É interessante ampliar a imagem para ver todos os detalhes)

Poema - Prazer nas estrelas


Mundos descobertos entre cosmos de malícia
Fluídos estrelares de gozo e ardor
Corpos entrelaçados em libidos e carícias
Sexos amarrados em prazer por amor.

Sonhando acordada viajo em teus braços
Por mundos invisíveis transcendo por tuas mãos
Excitação minha despertada por um simples abraço
Guiada sem rumo por olhos cegos de paixão.

Galáxias exploradas em cada curva do teu corpo
Dimensões abertas me fazem te querer mais
Viagens elucidadas em teu universo deixam-me louco
Libertinagem grande para um infinito pequeno de mais.


Priscila Hirotsu
09/2011 #