domingo, 30 de outubro de 2011

Copa 2014 - O Gol do Desperdício


         Em 30 de outubro de 2007 foi anunciado pela Federação Internacional de Futebol (FIFA) que o Brasil sediaria a copa do mundo de 2014, desde então, o país investe como nunca em infra-estrutura e obras relacionadas à Copa.
A Copa de 2014 será a mais cara da história, sendo orçada (até o fechamento desde artigo) em 40 bilhões de dólares, cerca de R$ 62 bilhões, que deverão ser retirados do erário público. Os gastos federais com “grades obras” estão previstas em R$: 23,5 bilhões, por tanto se houverem 64 jogos, cada jogo vai custar R$: 367 milhões.
Sem dúvidas que o evento esportivo poderia trazer benefícios financeiros ao Brasil, entretanto mesmo com as estimativas mais positivas, o investimento faraônico terá saldo negativo. A FIFA estima que 600 mil estrangeiros venham ao nosso país, o Ministério do Turismo aponta que cada estrangeiro gasta em média R$: 240 (com o dólar cotado a R$:2), portanto eles teriam que ficar 166 dias para cobrir apenas aplicações em dinheiro aos estádios. Além disso, outras preocupações nas áreas de transporte, hotelaria e principalmente segurança, também estão superfaturadas e atrasadas.
Aparentemente o Estado só veio tomar conhecimento da problemática dos transportes e segurança pública precária depois do anuncio da FIFA, o que impressiona é que para o governo esses problemas de décadas iram ser resolvidos em 2 (dois) anos. É indignante ver Bilhões em dinheiro do povo sendo “desperdiçado” em concreto e aço, à medida que existem brasileiros que não tenham acesso a uma moradia digna, a saúde e educação pública de qualidade.
Em meio a tanto desperdício e luxo, notamos a situação dos desportistas brasileiros, que apesar de ter um país que sedia os principais eventos esportivos da atualidade se vê a margem desse investimento. A verba com o Bolsa Atleta (programa do Ministério dos Esportes) é de R$: 40 milhões, ao passo que a publicidade do próprio programa supera o valor do dispêndio dos atletas (gasto com marketing – R$: 48,3 milhões).
Os nossos governantes precisam rever seus conceito e prioridades, não faz sentido tanto esbanjamento e desperdício de nosso dinheiro em fins que não são o beneficio da coletividade ou avanços nas áreas sociais.


Os dados utilizados foram respectivamente linkados no próprio artigo.

Ao usar este artigo, mantenha os links e faça referência ao autor:
HIROTSU, Priscila. Artigo: Copa 2014 - O Gol do Desperdício. João Pessoa, PB. Publicado 30/10/2011, em: http://www.gerandoletras.blogspot.com\