segunda-feira, 18 de junho de 2012

Poema - Memórias de um sádico






O medo se afastou de um mim receando meus pensamentos
O prazer decidiu fundir-se a dor
Beijando e mordendo me aproveito do momento
Te arranhando sofro em mim um corte indolor

Corpos suados e quentes
Sussurros e lágrimas me dão mais excitação
Olhares insanos confundem minha mente
Tuas mãos em minha carne corroem minha razão

Horas e horas de imaginação na realidade
Segundos e segundos sem ter tempo a perder
Cortando tua pele com força e maldade
Um pensamento vivo materializado em prazer

Tuas costas avermelhadas e arranhadas
Vejo uma gota de teu sangue escorrer
Minhas mãos delicadas e culpadas
(infelizmente) o bom senso me impede de aprofundar o teu sofrer.

Priscila Hirotsu.
2009#

Nenhum comentário:

Postar um comentário